Sites Grátis no Comunidades.net

 Modelismo - AVIAÇÃO MILITAR PORTUGUESA


 

Visite também os meus Sites:

 

Modelismo - AVIAÇÃO MILITAR MUNDIAL

 

OBERION - Fantastic Fantasy Art

 

 

 

ÍNDICE

 

ATENÇÃO:  as miniaturas expostas neste Site não estão à venda, são de colecção privada.

 

NOTA:  visite a lista de aeronaves neste Índice abaixo. Para ver a aeronave que pretende clique no seu nome. A primeira foto de cada aeronave tem a sua descrição, cores, características técnicas e história. Para aumentar a vista clique sobre as fotos.

 

AERONÁUTICA MILITAR

P-39D (P-400) Airacobra (Academy 1/72) 

Mohawk MK IV (H-75A-4 Hawk) (AML 1/72) 

Master T.MK III (Novo 1/72) 

Lysander MK IIIA (Airfix 1/72) 

Blenheim MK IVL (Airfix 1/72)

P-38G Lightning (Airfix 1/72)

Spitfire LF.MK VB (Revell 1/72)

Hurricane MK IIC (Revell 1/72) 

 

AVIAÇÃO NAVAL

Beaufighter MK X (Airfix 1/72) 

Beaufighter TF.MK X (Matchbox 1/72) 

 

FAP - FORÇA AÉREA PORTUGUESA

AT-6A Texan (Heller 1/72) 

Harvard MK IV / T-6J Texan (Academy 1/72)

T-6G Texan (Airfix 1/72) 

SA-316B Alouette III / Sud-Est SE.3160 (Heller 1/72) 

Fiat G.91R/4 Gina (Airfix 1/72) 

Fiat G.91R/3 Gina (Aeroclub 1/72 vacuform) 

Fiat G.91T/3 Gina (Aeroclub 1/72 vacuform) 

A-7P Corsair II (Hasegawa 1/72) 

Alpha Jet-A (Revell 1/72) 

FTB-337G Super Skymaster (Arii 1/72) 

DHC-1 Chipmunk (Airfix 1/72) 

DO-27A (Huma 1/72) 

F-47D Thunderbolt (Revell 1/72) 

F-84G Thunderjet (Heller 1/72) 

T-33A T-Bird (Hasegawa 1/72) 

F-86F Sabre (Hasegawa 1/72) 

T-38A Talon (PM Model 1/72) 

F-16B Fighting Falcon (Italeri 1/72) 

C-212-300S Aviocar (SIFICAP-SLAR) (Historic Wings 1/72 vacuform) 

 

OUTROS MODELOS BREVEMENTE

T-37C Tweet,

T-37C Tweet (Asas de Portugal),

TA-7P Corsair II,

F-16AM Fighting Falcon,

FTB-337G Super Skymaster (verde escuro US Vietnam e ventre cinza-azulado),

FTB-337G Super Skymaster (cinza escuro integral, doada à F.A. Moçambique),

DHC-1 Chipmunk MK20 (Academia da FAP),

N.2501D Noratlas (verde e cinza com ventre cinza-azulado),

N.2502F Noratlas (com tipjets nas asas e em olive integral),

C-130H Hercules (nova pintura cinza médio integral), 

P-3C Orion,

P-3P Orion (cinzas de baixa visibilidade), 

SA-330C Puma (olive integral),

SA-330S Puma (SAR),

SE.3130 Alouette II,

SE.3160 Alouette III (com floats, olive integral e dayglo dorsal),

SA-316B Alouette III (Rotores de Portugal),

B-24D Liberator,

SB2C-5 Helldiver,

Vampire T.55,

SB-17G Flying Fortress (SAR), 

SA-16A Albatross (SAR),

AT-11A Kansan,

C-45H Expeditor,

D-18S Twin Beech, 

L-21B Super Cub (olive integral),

ASK-21 (glider),

C-47A Skytrain/Dakota (olive integral),

C-54D Skymaster,

B-26B Invader (olive integral),

B-707-3F5C (VIP),

Falcon 50 (VIP),

Falcon 20 (VIP),

TB-30 Epsilon (cinza escuro),

C-212-100B Aviocar (olive integral),

C-295MPA Persuader (MP), 

EH-101 Merlin (CSAR), 

H-19A Chickasaw (SAR),

Super Lynx MK 95 (Marinha Portuguesa)

... e outros!  

 

 


Total de visitas: 158112
Kits - Modelos - Miniaturas

Primeira Anterior ...          ... Próxima Ultima

Republic F-84G Thunderjet (Heller 1/72)


(Imagem 106/128)

Republic F-84G Thunderjet (FAP - Força Aérea Portuguesa); Pintura Integral: Revell R99, Humbrol H19; Origem: EUA; Tipo: caça-bombardeiro; Turbojacto: Allison J35-A-29 (2540Kg de empuxo); Velocidade Máxima: 1020Km/h; Autonomia (ferry): 3220Km; Tecto de Serviço: 13.725m.


O F-84 Thunderjet foi um dos mais famosos caças a jacto dos Anos 50. Protagonista na Guerra da Coreia, teve um desempenho excepcional durante este conflito desencadeado nos inícios da década de 50, revelando ser um dos mais eficazes e mais precisos caças-bombardeiros de ataque ao solo do mundo.


Tal como o seu antecessor, o poderoso P-47 Thunderbolt, este avião foi projectado pelo engenheiro aeronáutico Alexander Kartveli para dar resposta ao concurso da USAF para a produção de um caça a jacto diurno, de asa média, com velocidade de 950Km/h e raio de acção não inferior a 1400Km. Os estudos começaram em 1944, o primeiro protótipo XP-84 voou pela primeira vez em Fevereiro 1946 e o segundo em Setembro do mesmo ano, tendo este batido o recorde nacional de velocidade dos EUA ao atingir 978Km/h. Ambos os protótipos estavam equipados com o turbojacto axial General Electric J35-GE-7 (1702Kg de empuxo), tomada de ar circular no nariz, fuselagem magra e elegante que acinturava na secção traseira com a tubeira de escape estendendo-se até à ponta da cauda. A concepção era simples, esbelta e de linhas suaves. A manutenção era facilitada por inúmeros painéis de acesso ao longo de ambos os lados da fuselagem. A secção traseira podia-se remover, expondo totalmente a turbina a jacto o que facilitava imenso as tarefas de manutenção, reparação ou substituição. As asas eram rectas, de perfil laminar, e estavam posicionadas quase a meia altura na fuselagem. A cabine de pilotagem era pressurizada, com párabrisas blindado e capota “canopy” estilo bolha, em perspex transparente de peça única e à prova-de-balas, sendo ejectada por acção de cartucho explosivo imediatamente antes do disparo do assento ejectável que era accionado por alavancas em ambos os lados. O trem de aterragem era do tipo triciclo retráctil de actuação hidráulica, com pernas longas e de bitola larga, com a roda da frente adiantada em relação ao nariz do avião. A zona ventral da fuselagem tinha um grande freio aerodinâmico accionado por 2 pistões hidráulicos, o que reduzia a velocidade de picada contra alvos na superfície ou em duelos aéreos “dogfights” contra aviões inimigos. Também era muito usado para encurtar a distância de aterragem em pistas mais curtas. A cauda tinha uma pequena barbatana por baixo. Era um párachoque em aço que servia para a proteger no caso de raspar no chão durante as descolagens ou aterragens. As superfícies de controlo de voo e o leme eram de accionamento hidráulico, ficando os estabilizadores ligeiramente acima da base da deriva. Estes e as asas, tinham um diedro positivo de 5º o que dava ao avião um ar atarracado quando estava no solo. Entretanto, os recentes turbojactos Allison J35-A-15 (1814Kg de empuxo) vinham tendo um comportamento mais satisfatório que os General Electric J35-GE-7 e quando os dois protótipos XP-84 passaram a utilizá-los, receberam a designação XP-84A. Em seguida foram produzidos 15 YP-84A de pré-série, também com o turbojacto mais fiável J35-A-15. Tinham freios melhorados nas rodas, tanques suplementares “tiptanks” nas pontas das asas com combustível-extra, e estavam armados com 6 metralhadoras pesadas Colt-Browning M3 (calibre 0.50"/12,7mm, cadência 1200 tiros p/min.), 4 montadas no capô do nariz e 2 nas asas. Em Outubro 1947, a recém criada USAF, gostou tanto dos aparelhos que encomendou logo 412 exemplares do F-84B com turbojacto melhorado J35-A-15C (1820Kg de empuxo), suportes nas asas com capacidade para portarem um total de 32 rockets, e cabine com ar condicionado. Entretanto, no 226º aparelho construído, a versão passou para o F-84C com turbina J35-A-13C (1820Kg de empuxo) mais económica, tanques internos de combustível com maior capacidade, sistemas eléctricos e hidráulicos melhorados, e bocal de escape ligeiramente mais curto. O tubo de pitot passou da deriva para a divisória da tomada de ar no nariz. Entretanto, no 409º aparelho construído, a versão passou para o F-84D com turbojacto mais potente J35-A-17C (2268Kg de empuxo) que permitiu mais peso bruto e exigiu revestimento mais espesso nas asas e ailerons. Em Dezembro 1950, vários contingentes destes aparelhos foram mobilizados para a Guerra da Coreia onde lançariam mais de 50.000 toneladas de bombas e napalm, tornando-se o F-84 Thunderjet no melhor avião de combate dos EUA até à chegada do F-86 Sabre. Entretanto a produção foi seguindo e, mais uma vez, no 563º aparelho construído, a versão passou para o F-84E com turbojacto J35-A-17D (2280Kg de empuxo) mais económico, tanques internos de combustível ainda maiores, fuselagem 30cm mais comprida, radar-mira Sperry APG-30 e interior da cabina com disposição mais espaçosa. Tinha 2 cabides-pylons sob as asas para bombas ou 2 tanques alijáveis, cada um com 885L de combustível-extra. Havia a provisão de montagem no ventre da fuselagem (atrás do freio aerodinâmico) de até 5 garrafas de impulsão a jacto (JATO-Jet Assisted Take-Off) para encurtar a distância de descolagem do aparelho com peso máximo. Fabricaram-se 843 F-84E para a USAF e para diversas forças aéreas da NATO. O esforço na Guerra da Coreia faria aparecer o F-84G que foi o Thunderjet mais produzido. Foram fabricados 3025 exemplares pelo que nunca, até então, se tinha construído tão grande quantidade de aviões a jacto numa única versão. O F-84G tinha turbojacto ainda mais potente, o J35-A-29 (2540Kg de empuxo), e capota “canopy” blindada do tipo pesado, com tirantes e de aspecto mais antiquado. O aparelho tinha piloto-automático (AFCS-Automatic Flight Control System) para voo em rota, sistema de aterragem por instrumentos (ILS-Instruments Landing System), e mira visual MK18 de computação manual da distância. Passados poucos meses, incorporou-se a moderna mira-radárica "gunsight" A-1CM com computação automática da distância até ao alvo. Mais tarde, foi também incorporado um mini-radar, dentro do aro do nariz, o Sperry APG-30 do caça F-86F Sabre. Este pequeno radar estava associado a uma nova mira-radárica "gunsight" A-4 e ambos estavam ligados a um sistema de telemetria e de comando das metralhadoras do avião. O radar determinava com grande precisão a distância ao alvo e permitia fixà-lo. A partir daí, os dados sobre a distância eram automáticamente fornecidos ao sistema de tiro, que por sua vez facilitava ao piloto dados sobre quando disparar para conseguir o melhor efeito. Esta vantagem táctica permitiu que pilotos norte-americanos menos experientes pudessem enfrentar com sucesso pilotos norte-coreanos e russos veteranos, que não possuíam este tipo de equipamento, o qual permitia ao piloto ter mais atenção às manobras de combate. O F-84G também foi equipado com receptáculo Boeing de reabastecimento em voo (o primeiro de série num avião a jacto) no bordo de ataque da asa esquerda, e “tiptanks” nas pontas das asas com aletas nas faces externas.


Em meados de 1952, o (SAC-Strategic Air Command) da USAF não teve dúvidas em incluir o F-84G na sua frota de aviões estratégicos, tornando-se assim no primeiro caça-bombardeiro monolugar capaz de transportar armas nuclares (p.ex. a bomba nuclear MK7 de 61Kt largada por sistema (LABS-Low Altitude Bombing System). Um total de 1936 F-84G foram exportados pelo Programa (MDAP-Mutual Defense and Assistance Program) para equiparem a Linha da Frente de inúmeras forças aéreas da NATO, tendo esses aparelhos assumido lugar de destaque na defesa da Europa Ocidental. Mais tarde, muitos outros foram vendidos em 2ª mão após terem prestado valiosos serviços na USAF. Além da USAF, os F-84 Thunderjet foram operados pelas forças aéreas da França, Bélgica, Holanda, RFA, Dinamarca, Noruega, Itália, Jugoslávia, Grécia, Turquia, Irão, Tailândia, China Nacionalista (Taiwan) e Portugal. No total, foram fabricados 7524 F-84 Thunderjet em todas as versões.


O F-84 Thunderjet não foi projectado para ser um caça puro-sangue, especializado em combates corpo-a-corpo "dogfights" contra aviões inimigos, mas de modo geral foi um bom avião a jacto, saindo-se especialmente bem nos ataques ao solo por ser uma plataforma muito estável em voo. Era extremamente forte e robusto, além de muito resistente a danos pesados em combate (características herdadas do seu irmão mais velho, o P-47 Thunderbolt). O F-84 Thunderjet foi um dos mais famosos aviões da primeira geração de caças a reacção a jacto e um dos mais importantes do período Pós-Guerra, o que lhe garante um lugar muito relevante na História da Aviação.                               


 

Criar um Site Grátis   |   Create a Free Website Denunciar  |  Publicidade  |  Sites Grátis no Comunidades.net